Notas pós III Encontro SUL das Produtoras Culturais Colaborativas


sopapo1

Nas últimas semanas estive envolvido na organização do III Encontro SUL das Produtoras Culturais Colaborativas, uma rede que participo desde 2014 e que envolve uma série de pessoas, coletivos e organizações de três regiões do Brasil (norte, nordeste e sul). Dentre muitas ideias fritantes que sempre surgem em um evento como esse, quatro dias de discussões com gente muito interessante de todo o país, separei três pensatas que me vieram após a mesa “Comunicação e Cultura Livre em tempos bicudos”, que ocorreu no dia 5/10, e que foram digeridas pelo meu incosciente nesses 5 dias que separam a mesa desse texto. Segue abaixo, sem me alongar muito em cada uma porque, por hora, só são pensatas mesmo, a serem desenvolvidas em outro momento:

1) Quem termina uma faculdade de jornalismo está, cada vez mais, formando seus próprios projetos, não mais trabalhando no que ainda resta da mídia de massa. A crise de postos de trabalhos no jornalismo dito mainstream pode ser o maior motivo, mas também há outros, como o “apagão” que vive o jornalismo brasileiro desde final de 2013, especialmente a partir das eleições de 2014 e ainda mais depois do golpe, o que faz com que muitxs estudantxs (em especial xs mais críticxs, fatalmente ligado a universidades públicas, mas não só) não queiram mais trabalhar nesses lugares e busquem alternativas. A presença de dois coletivos de jornalistas recém formados e/ou em formação com falas nessa linha, somado à diversas iniciativas que tenho visto em semanas acadêmicas de cursos de comunicação, e ainda outros projetos surgindo (como esse) para ajudar a formar esses novos projetos, endossa essa realidade. Sempre foi assim? Não creio: pelo menos há 10 anos atrás, quando me formei, formar seu próprio veículo e/ou empreendimento era um pensamento praticamente inexistente nas aulas de jornalismo na minha universidade e, arrisco a dizer, em quase todas que conheci. Esse novo cenário ainda não foi assimilado pelas faculdades de comunicação, que, quando falam em empreededorismo em sala de aula, ainda falam de negócios velhos, e de uma forma velha, muitas vezes trazendo aquele professor da administração que nada entende da área da comunicação com seus jargões business que mais cria antipatia do que simpatia pelo que significa empreender. O que leva para a segunda pensata:

mesacola

2) Porque inovação ainda, majoritariamente, está relacionada a fins (muito) lucrativos? Por que inovação é mais corriqueiramente associado a um endosso do capitalismo se estamos em plena ascenção de um pós-capitalismo? Na comunicação, em especial, nos programas das raras disciplinas de empreededorismo à bibliografias de ainda mais raros concursos para professores na área, inovação tem excluído ou pouco falado em negócios sociais, associativistas ou cooperativos, ou até mesmo de modelos experimentais como laboratórios de inovação cidadã, medialabs e coletivos colaborativos (problematizo o conceito em outro momento…). O foco dessas disciplinas muitas vezes tem sido ainda em assessorias de imprensa, agências de conteúdo (um outro nome para “comunicaçaõ integrada?”), ou ainda nos veículos caça-cliques e em outros projetos que ignoram ou pouco pensam no desenvolvimento local, nas soluções livres e no pensamento crítico em relação a própria tecnologia – são projetos que, não raro, ficam mais pro lado do marketing digital do que do do jornalismo que busca trazer informação de interesse público para uma dada comunidade. A resposta pras duas perguntas do início desse parágrafo é, claro, a grana. Mas será utopia pensar em fazer comunicação de forma colaborativa, com checagem precisa e atualização mais lenta, sem fins lucrativos (o que não significa não receber pelo que faz e muito menos não ser profissional, mas apenas não visar o lucro como principal fim), e com soluções de código aberto? Talvez. Mas chamo atenção para uma certa necessidade de, nesse momento de transformação dos modelos de fazer e sustentar o jornalismo, ao menos disputar o que tem sido colocado como inovação, de modo a incluir tecnologias sociais como a utilizada na rede de produtoras culturais colaborativas, e outras formas próximas à economia solidária e o cooperativismo.

vila3

3) Processo é importante, porra! Dito de outro modo: os fins justificam os meios? Nesse quesito, costumo citar por aí um causo que aconteceu em um grande encontro da juventude, em Brasília, dezembro de 2015, com gente de todos os cantos do Brasil, organizado pela Secretaria Nacional da Juventude, orgão ligado à Secretaria Geral da Presidência, antes do golpe. Estava como ministrante, junto com Sheila Uberti (FotoLivre), de uma oficina de cobertura colaborativa com ferramentas livres para outros participantes ligados à comunicação. Mostramos softwares livres para edição, tratamento e publicação de fotos, textos e imagens, citando um pouco a questão da privacidade e de segurança da informação com ferramentas antivigilância. As cerca de 30 pessoas que estavam por ali pareciam interessadas e curiosas durante a oficina. Mas quando acabamos, nos reunimos todos numa grande mesa para discutir as pautas do dia e um dos participantes, que esteve presente durante toda a ação, falou: “Agora vamos ao que interessa, depois a gente vê essas amenidades”. Falava da reunião de pauta que ocorreria na sequência da oficina, em que discutimos os conteúdos a serem produzidos durante o evento. A fala, já escutada em versões semelhantes muitas outras vezes, é sintomática da importância que se dá ainda ao produto em nossa sociedade (e especialmente na área da comunicação), e não ao processo. Estávamos em um grupo que discutia os grandes oligopólios de mídia no Brasil, que criticava duramente a cobertura do jornalismo mainstream aos protestos nas ruas, uma cobertura apontada como enviezada, que só via os fatos por um lado (aquele do status quo, de quem dita as regras). E que publicava praticamente 100% de seu conteúdo em redes de grandes monopólios da internet (Google e Facebook), em que todo o processo de produção passava por ferramentas desses grandes grupos (mensageiros como WhatsApp, softwares de edição da Adobe, sistemas operacionais proprietários Windows e Mac). O uso das tecnologias nos processos de produção culturais (e comunicacionais) ainda é visto como uma amenidade. Para a maioria, em especial na comunicação, o importante é que o conteúdo seja relevante, bonito, fácil de fazer e que chegue ao maior número de pessoas, não importando se para isso se utilize caminhos proprietários que tem posturas e posições tão ou mais criticamente condenáveis do que os grandes grupos de comunicação que se critica. E isso não é uma crítica per se, apenas uma constatação. São diversas frentes de batalha que temos nestes tempos brutais que vivemos, e diante delas a maioria das pessoas tem escolhido que a das tecnologias livres não é uma causa urgente. O fim de fazer circular um conteúdo de denúncia em uma dada comunidade é mais importante do que esse conteúdo ser produzido e publicado em software livre.

permac

Mas existem grupos (utópicos?), como a rede de Produtoras Culturais Colaborativas (e outros tantos), que ainda acham que os processos são importantes, e que ferramentas livres na condução desse processo ainda devem ser, ao menos, consideradas. Que soluções que sejam das pessoas, e não de grande corporações, são fundamentais para a construção de caminhos mais justos e igualitários pra nossa sociedade. Muitos são os desafios dessa opção pelo processo: a dificuldade de se introduzir o germe de autogestão e da responsabilidade de cada um com aquilo que faz e produz é um deles. O pouco alcance que muitas vezes os eventos e conteúdos (os “produtos”) feitos dessa maneira atingem é outro. A crônica falta de dinheiro que, em diversos momentos, especialmente aquele em que os processos democráticos estão em crise (como hoje), é outro. Todos denotam uma característica desse caminho: a lentidão. Colaborar também é insistir, muitas vezes ser chato, dedicar tempo e dinheiro que, em diversos momentos, não se tem, ainda mais no sul global onde nos situamos. Mas ninguém disse que seria fácil, não?

Fotos de Davi Adorna. Disponível no Iteia, espaço de acervo multimídia livre.

 

Jornalismo e cultura hacker (1)

hacker

Vou dar um curso/disciplina de 30h a partir do dia 5/8 na pós em jornalismo digital da PUCRS com o nome “Cultura hacker e jornalismo digital”. Já dou aula na pós faz algum tempo, mas essa vai ser a primeira disciplina onde o foco é a cultura hacker, então quero aproveitar o espaço para testar algumas coisas, claro que com as adaptações necessárias que uma estrutura tradicional de ensino de uma universidade exige.

A ideia é fazer uma disciplina bem mão na massa, que entenda “hackear” num sentido mais amplo e não apenas o vinculado a temas como jornalismo de dados – até porque essa disciplina já existe na pós, então raspar dados e visualizá-los os alunos já sabem (ou vão saber depois). Compartilho aqui o plano de aula para quem quiser dar algum pitaco, ler, criticar, acrescentar referências, ou simplesmente ver, copiar e remixar. A ideia é aproveitar essa experiência para replicar em alguns outros lugares fora da academia também.

Depois relato aqui como rolou a disciplina.

Diário da tese (17): em trânsito & transformações

trump

Escrito no Facebook em 9 de novembro.
Vou a SBPJor 2016, em Palhoça-SC, depois de alguns anos sem participar desse que é o congresso acadêmico que mais fui na vida. Nas últimas vezes, encontrei pouco diálogo com perspectivas que não fossem centradas num jornalismo “tradicional”, o que excluía (ou deixava bem de lado) pesquisas que não fossem centradas em “veículos jornalísticos empresariais”, ou perspectivas teóricas que também considerassem os “objetos” (ou “as tecnologias”) como participantes do processo de produzir do jornalismo. Como pesquisador interessado em tecnologias e comunicação para além dos grandes meios (alguns chamam de comunicação alternativa/radical/guerrilha), não me via nos debates focados amplamente em conteúdo – e conteúdo de jornais tradicionais. Nesse tempo, fiquei feliz de encontrar diálogo produtivo em áreas como os estudos de ciência e tecnologia, a antropologia, a filosofia, a computação e a arte, e em espaços pra além da universidade, locais autônomos de saber como as ruas, labs e hackerspaces, por exemplo. Mas tô voltando pra apresentar um texto que propõe um diálogo sobre metodologia pra além de só aquela coisa de “regras fixas que tem de seguir pra fazer um trabalho científico”, e que considere, de forma simétrica, “as tecnologias” que tomam (cada vez mais!) parte do processo de produção do jornalismo. Vai ser na sexta pela manhã, sessão 14, pra quem estiver no evento – quem não tiver por lá, logo publico o artigo na rede.
Fico imaginando (e torcendo) que esse diálogo seja mais presente nesta edição.

*

15 de novembro
De fato, foi um congresso interessante. Participei de duas mesas e de diversas conversas paralelas que me deram ânimo para continuar na pesquisa. Apesar de ainda ser uma perspectiva minoritária na SBPJor, muita gente tem atentado para dois fatos:

a) o jornalismo de veículos tradicionais – Folha de S. Paulo, Estadão, O Globo, Zero Hora e outros jornais chamado “de referência” – tem cada vez menos presença no consumo de informação na sociedade contemporânea. Com os cortes e as transformações do ato de produzir narrativas de informação de interesse público do tempo presente, já faz tempo que o jornalismo “de referência” não é a principal opção dos egressos de uma faculdade de jornalismo (embora ainda seja esse o que predomina no ensino de muitas faculdades por aí…): basta ver, numa turma de 30 alunos, quantos trabalham numa redação “tradicional” jornalística, e quantos trabalham com outras atividades, como assessoria de imprensa, social media, agências de conteúdos, “freelas” de diversos tipos, entre outras funções sendo inventadas a cada dia. Estudar só estes veículos tradicionais, portanto, é se ater a uma cada vez menor parcela da prática social conhecida como jornalismo. Existem outros vários jornalismos para além deste – inclusive para além de somente aquele produzidos por jornalistas.

b) o jornalismo, prática social central na modernidade, não organiza mais a sociedade, não inventa mais a esfera pública – seja qual for esta(s) esfera(s) – como fez durante boa parte do século XX. A vitória do boçal Donald Trump nos Estados Unidos, contra todos os grandes veículos de mídia “de referência” dos EUA, ilustra essa percepção (que não é só minha, foi comentada por um pesquisador na mesa onde apresentei, Elias Machado, da UFSC). Que é mais forte nos Estados Unidos e em outros lugares que aqui no Brasil, haja vista a influência que ainda teve os grandes veículos jornalísticos tradicionais no golpe travestido de Impeachment que tivemos neste ano. Mas é uma constatação importante: o jornalismo está deixando de ocupar, de forma muito veloz, essa posição central de indicador de caminhos para o debate público para se tornar “mais um” ator nesse cenário. Quem está ocupando este lugar que outrora foi do jornalismo? Acertou se você disse o que está pensando: as redes sociais – e especialmente o Facebook.

Semana que vem publico o artigo que apresentei no congresso. É um trecho de um dos capítulos da tese (o que apresenta e traduz os principais conceitos da Teoria Ator-Rede), com algumas inserções da metodologia do trecho de metodologia. Um trabalho em construção, uma versão primeira de algumas reflexões que tenho feito durante o processo de feitura da tese.

Imagem: do apptivismo do En Medio, trumpdonald.org.

Diário da tese (15): descrever, descrever, descrever

twittcasting

Descrever é uma prática comum no jornalismo, nem tanto naquele que é produzido diariamente, mas sim naquele feito com tempo, cuidado e que passa por muitas mãos, seja na hora de mexer no texto (no vídeo, no áudio, em desenho, em site, ou em tudo isso misturado) ou a partir de fontes as mais diversas possíveis. Também é na antropologia, na escrita dos diários de campo etnográficos, em que os detalhes são importantes e a ação observada (e participada) é fundamental para se construir boas considerações teóricas. Não é raro de ver antropólogos com diários de centenas –  milhares! – de páginas de descrição profunda de detalhes para “transformar o exótico em familiar, ou o familiar em exótico”, como diz Roberto Da Matta em “O ofício do etnógrafo, ou como ter anthropological blues“ (1978), já citado por aqui.

E também é parte fundamental do trabalho que use a Teoria Ator-Rede como guia metodológico, como é o meu caso. Mas um trabalho de descrição de redes (de actantes, seres que agem, sejam eles objetos ou humanos), ao contrário do que talvez possa se imaginar, não é uma tarefa simples. Latour, em Reagregando o Social (2012, p.209) diz que a descrição completa, observar um estado de coisas concreto, descobrir o único relato adequado a uma situação, é uma tarefa muito desgastante: “o simples ato de registrar alguma coisa no papel já representa uma imensa transformação que requer tanta habilidade e artifício quanto pintar uma paisagem ou provocar uma complicada reação química (LATOUR, 2012, p.199)”.

Em diversos momentos, o caráter maçante de uma descrição pode nos fazer substituí-la por explicações trazidas por entidades vagas como “Sociedade, Capitalismo, Império, Normas, Individualismo, Campos”, o que faz com que o social escape pelas mãos. Como diz o pesquisador francês: “Ou as redes que tornam possível um estado de coisas são plenamente desdobradas – e, nesse caso, acrescentar uma explicação seria supérfluo – ou “acrescentamos uma explicação” declarando que outro ator ou fator deve ser levado em conta, de sorte que a descrição avance mais um passo. (LATOUR, 2012, p.200).

Trago a descrição pra este diário porque é justo neste processo de descrição do “estado das coisas” das redes de mediação na Mídia Ninja que me encontro neste momento. Ninguém disse que seria fácil, e não tá sendo: são páginas tentando buscar as melhores palavras para descrever como a Mídia Ninja chegou até a cobertura das manifestações de 2013, por exemplo. Muita coisa aconteceu entre 2006 e 2013 na rede que deu a sustentação à formação da Mídia Ninja, o Fora do Eixo, e a decisão de escolher o que foi importante (fez diferença) e o que não fez é sempre uma escolha difícil, ainda mais se tratando de uma rede que, por si só, já não é fácil de entender e tem um caminho muito distinto de redações jornalísticas mais tradicionais. Um caminho pra escolher o que está importando naquele dado momento analisado sempre parece ser as provas: se os atores não deixam provas que agem, ou deixam provas que não conseguimos rastrear de modo a compor um relato convincente dessas ações neste trabalho, então esse ator não vai estar na narrativa. A descrição não deixa de ser o resultado do rastreamento das associações entre actantes. Um trabalho de detetive. Ou de jornalista?

No caso da TAR, há ainda o fato de não separar os objetos dos sujeitos na hora da descrição. Então, se dado objeto está importando em dado momento, ele também vai ser descrito. Na prática, isso significa que você vai ter que descrever aspectos “técnicos” que demandam muita pesquisa para dominá-los a ponto de conseguir produzir uma boa narrativa. Um exemplo do trabalho que tenho feito: o twittcasting, software/aplicativo de streaming usado em junho de 2013 na Ninja. Os momentos de maior visibilidade do grupo se deram a partir de transmissões ao vivo do aplicativo usado a partir de um Iphone, uma prova suficiente de que ele agiu modificando outros atores e fazendo diferença. Mas como ele funciona? quem produziu? quais são os códigos que fizeram ele possibilitar a narrativa de uma dada realidade no que costumamos chamar de “ao vivo”? É necessário abrir esta caixa-preta para entender. E isso não é tarefa fácil para se fazer quando há outros outros atores que também esperam para ser descritos em detalhes.

Felizmente, há boas descrições em diversos relatos atores-rede. Tenho tentado ler alguns para me inspirar e ver melhor como posso construir a minha narrativa. Além dos já citados em outros posts, dois textos que são essenciais para a descrição de objetos técnicos estão abaixo, com seus respectivos arquivos em PDF; o último é indicação de William Araújo, colega doutorando e também um investigador ator-rede.

AKRICH, Madeleine.The De-scription of Techinical Objects. In: BIJKER, W. E., LAW, J. (Eds.).Shaping Technology/ Building Society. Studies in Sociotechnical Change. Cambridge: The MIT Press, 1992, p. 205-224.

CALLON, Michel. (2001). Writing and (Re)writing Devices as Tools for Managing Complexity. In J. Law and A. Mol (Eds.) Complexities in Science, Technology and Medicine. Durham, N. Ca., Duke University Press.

 

Diário da tese (14): bibliografia Jornalismo e Teoria Ator-Rede

newsroom

Já escrevi um post específico sobre a Teoria Ator-Rede e outro sobre mediação, hoje é a vez de falar um pouco da relação da TAR com o jornalismo. A bibliografia que cito está no final do post, e os textos que consegui buscar versões online estão com seus respectivos links pra download.

Venho fazendo essa aproximação desde a segunda metade de 2013. Não é fácil, porque são caminhos que partem de visões teóricas bem diferentes: o jornalismo como “filho da modernidade”, baluarte da separação entre natureza e sociedade que a TAR, justamente, discute ao enfatizar a busca pela simetria na descrição dos atores envolvidos em uma dada ação – incluindo aí os “não-humanos”.

Mas apesar disso, a perspectiva ontológica da TAR tem ganhado popularidade nos últimos anos. Um dos motivos é a de que a digitalização experimentada nas últimas décadas tem feito o jornalismo cada vez uma prática complexa que tomam parte os mais variados objetos técnicos, o que tem tornado a TAR útil como lente analítica, como escrevem CW Anderson & Juliette De Maeyer na apresentação de um dossiê de uma das mais prestigiadas revistas acadêmicas da área, a Journalism, publicada no primeiro semestre de de 2015. Na apresentação deste dossiê , os autores apontam três caminhos principais que estas pesquisas têm seguido:

1) os estudos de inovação tecnológica e de novas ferramentas introduzidas nas redações, encontrados em trabalhos como Turner (2005), Plesner (2009), Weiss e Domingo (2010), Micó, Masip e Domingo (2013) e, no Brasil, na pioneira tese de André Holanda (2014) sobre o jornalismo em tablets, apresentada na pós graduação em comunicação e culturas contemporâneas da UFBA. Este talvez seja o caminho mais percorrido por pesquisadores até hoje, seguindo a linha dos primeiros estudos da TAR, o que Micó, Masip e Domingo (2010, p. 121) justificam argumentando que “uma abordagem da teoria ator-rede pode ser especialmente benéfica para rastrear as relações de poder entre diferentes atores envolvidos no desenvolvimento de uma inovação numa redação” (MICÓ, MASIP e DOMINGO, 2010, p.121)”.

2) É aquele em que o social pode se tornar mais visível que o usual. Latour, em “Reagregando o Social” (2012), cita como exemplo situações em que acidentes acontecem, ou quando coisas deixam de ser apenas um dado adquirido e passam a ser colocadas à distância – tanto no tempo como no espaço, o que incluiria pesquisas históricas. Para ilustrar esse tipo de estudo, Anderson e Meyer citam o caso de Le Cam (2015), que analisa um corpus de fotografias de redações na França, Bélgica e Canadá, do século XIX até hoje, para entender as mudanças organizacionais e gerenciais das empresas jornalísticas, e o de Rodgers (2015), que trata de uma história mais recente, do sistema de publicação de conteúdo online do Toronto Star, no Canadá, chamado TOPS. Concluem que “examinando estas evoluções históricas, estudiosos do jornalismo podem mais facilmente abrir as caixas-pretas que mascaram as tensões e descontinuidades subjacentes aos grandes sistemas sociotécnicos sob uma superfície acabada e suave (ANDERSON e MAEYER, 2015, p 6)”.

3) Por fim, o terceiro caminho seria o da cultura organizacional de certos grupos de jornalistas. Esse seria o rumo seguido por Graves (2015), por exemplo, que aborda a prática de jornalistas em duas publicações investigativas separadas por mais de 50 anos, o IF Stone Weekly e o site Talking Points Memo, e o de Usher (2015), que pesquisa a redação do International New York Times e reflete sobre como os objetos, as necessidades humanas, os valores da marca, entre outras outras questões, aparecem no dia a dia e na formação de uma redação jornalística. Esta linha de estudos das culturas organizacionais é a que mais se aproxima de minha pesquisa, embora tenha aqui o diferencial de que a Mídia NINJA não se constitui como uma redação jornalística “profissional”, no sentido de contar com profissionais assalariados para este fim.

Em maio do ano passado, eu e Willian Araújo, colega do PPGCOM que estuda via TAR o newsfeed do Facebook, escrevemos um artigo que aproximou ambas com uma terceira linha: a cultura hacker. O artigo se chama “Actor-network theory, journalism and hacker culture: for beyond the black boxes of digital artifacts in the journalism process” e foi apresentado no congresso Shaping the Future of News Media, em Barcelona, junho de 2015. Foi uma primeira aproximação nossa a este temática, um esforço inicial de compilação de bibliografia. É a partir dela que organizo as referências abaixo; devem ter muitas referências por aí que não encontramos, mas organizar referências é um trabalho sempre em construção.

Livros & Teses

ANDERSON, Christopher W. Breaking journalism down: Work, authority, and networking local news, 1997-2009. 2009. 328 f. Tese (Doutorado em Comunicação Social), Columbia University, Nova York, 2009. Tese de CW Anderson sobre o ecossistema de mídia. Utiliza a TAR como guia teórico-metodológico.

HEMMINGWAY, Emma. 2007. Into the Newsroom: Exploring the Digital Production of Regional Television News. London: Routledge. Etnografia em uma redação de televisão do interior da Inglaterra que usa largamente a TAR como guia teórico-metodológico. Excelente trabalho!

HOLANDA, André. Traduzindo o jornalismo para tablets com a Teoria Ator-Rede. Tese de doutorado (Programa de Pós-Graduação em Comunicação e culturas contemporâneas). Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2014.

LEMOS, André. A comunicação das coisas: Teoria Ator-Rede e Cibercultura. São Paulo: Annablume, 2013. Entre as discussões propostas via TAR, uma parte aborda o jornalismo.

Journalism, vol.16, 2015

ANDERSON, CW; DE MAEYER, Juliette. Objects of journalism and the news. Journalism, vol. 16 (1), p. 3-9, 2015.

GRAVES, Lucas. Blogging Back then: Annotative journalism in I.F. Stone’s Weekly and Talking Points Memo. In: Journalism, vol. 16 (1), 99-118, 2015.

KEITH, Susan. Horseshoes, stylebooks, wheels, poles, and dummies: Objects of editing power in 20th-century newsrooms. Journalism, vol. 16 (1), 99-118, 2015.

LE CAM, Florence. Photographs of newsrooms: From the printing house to open space offices. Analyzing the transformation of workspaces and information production. Journalism, vol. 16 (1), p. 134-152, 2015.

RODGERS, Scott. Foreign objects? Web content mangament systems, journalistic cultures and the ontology of software. Journalism, vol. 16 (1), p. 10-26, 2015.

Artigos

ARCE, Tacyana; ALZAMORA, Geane; SALGADO, Thiago Barcelos Pereira. Mediar, verbo defectivo: contribuições da teoria ator-rede para a conjugação da mediação jornalísticas. In: Revista Contemporânea, v.12, nº03, set-dez 2014, p.495-511.

COULDRY, Nick. Actor Network Theory and Media: Do They Connect and on What Terms? In: Connectivity, Networks and Flows: Conceptualizing Contemporary Communications, edited by A. Hepp, F. Krotz, S. Moores, and C. Winter, 93–111. Cresskill, NJ: Hampton Press, 2008.

HOLANDA, A; LEMOS, A. Do Paradigma ao Cosmograma: Sete Contribuições da Teoria Ator-Rede para a Pesquisa em Comunicação. Anais da COMPÓS, Salvador, 2013.

LONGHI, Raquel. SOUSA, Maíra. A dinâmica da notícia na internet: organizações jornalísticas e atores da rede. In: In: Revista Contemporânea, v.10, nº03, set-dez 2012, p.511-529.

MICÓ, Josep Luis; MASIP, Pere; DOMINGO, David. To wish impossible things: Convergence as a process of diffusion of innovations in an actor-network. International Communication Gazette 75: p.118–137. 2013.

OSÓRIO, Moreno. Jornalismo e Teoria Ator-Rede: possibilidades e limites do princípio da simetria a partir da verificação digital. IN: 13º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo, 2015.

PRIMO, Alex. ZAGO, Gabriela. Who and what do journalism? An actor-network perspective. In: Digital Journalism, 2015; vol.3, nº1, p.38-52. London; Routledge, 2015.

PLESNER, Ursula. An Actor-Network Perspective on Changing Work Practices: Communication Technologies as Actants in Newswork. Journalism 10 (5): 604–626, 2009.

TURNER, Fred. Actor-networking the news. Social Epistemology 19(4): 321–324, 2005.

WEISS, Amy. DOMINGO, David. Innovation processes in online newsrooms as actor-networks and communities of practice. New Media & Society 12(7): p.1156–1171, 2010.

 

diário da tese (3): a questão da mediação

mediacao traducao

Como prometido, o diário-semanário da tese traz hoje algumas questões discutidas na qualificação do projeto de tese, intitulado até então de “A Mediação no jornalismo feito por não jornalistas: um estudo das agências humanas e não humanas na Mídia NINJA“. Digo até então porque título é das partes que mais se mexe num trabalho acadêmico, e este será mudado por, entre outros fatores, trazer uma questão importante apontada pela banca: será que as pessoas que trabalham na Mídia NINJA não são jornalistas mesmo? No sentido de não serem formados numa faculdade de jornalismo está claro que não são, mas jornalista só é aquele que tem um diploma de universidade?

É uma questão que rende muitas discussões na academia, no mercado profissional e nos tribunais – atualmente, não é obrigatório o diploma para ser jornalista, mas o assunto está sendo discutido novamente na Câmara dos Deputados. Do ponto de vista do trabalho analisado em questão, não, jornalista não é só aquele que é formado em jornalismo, porque a concepção que defendo nos referenciais teóricos é de que o jornalismo é, acontece, a partir de determinadas circunstâncias de mediação dadas na ação, e não por questões estabelecidas a priori, como formação ou registro profissional.

É uma visão influenciada pela concepção de mediação trabalhada pela Teoria Ator-Rede (TAR), em especial por Bruno Latour, e por alguns trabalhos que aproximam a TAR ao jornalismo, como um artigo de 2015 de Alex Primo e Gabriela Zago. Esta concepção vê a mediação sempre como movimento, ação, tradução, um processo híbrido, instável e constituído de diversos elementos estabelecidos em uma rede de significados (como diz Latour em On Technical Mediation, texto de 1994 chave para entender essa visão).

Dois pontos são importantes: o primeiro é assumir que, como toda tradução, há sempre um grau de interferência destes elementos na rede de significados constituída. Não existe um mediador “puro”, que não vai interferir na ação e vai traduzi-la tal qual ela é. Pode parecer uma questão óbvia, ainda mais para quem trabalha com tradução de textos de uma língua para outra, mas basta olhar os jornais de grande circulação no Brasil, como Folha de S. Paulo, O Globo e Zero Hora, no papel ou em suas versões digitais, para perceber que a visão predominante no jornalismo ainda é a de que o jornalista relata “a verdade” de forma transparente, o que pressupõe que não existe intereferência. Admitir que existe construção no processo de tradução que ocorre na mediação só deveria ser um problema se ainda considerássemos as notícias e a realidade a mesma coisa, visão que desde Walter Lippmann em seu clássico “A Opinião Pública“, lá em 1922, já se criticava: “a hipótese que me parece mais fértil é que as notícias e a verdade não são a mesma coisa e precisam ser claramente distinguidas”.

O segundo ponto é um dos mais polêmicos: se devemos entender a mediação como tradução em que todos os atores envolvidos podem interferir na ação, então os objetos técnicos também devem ser incluídos aí – e se vamos estudar as mediações, precisamos estudar estes objetos. No caso do jornalismo, as discussões sobre se robôs podem ou não fazer uma notícia, o jogo de mostra-esconde do algoritmo do Facebook, softwares utilizados no jornalismo de dados, por exemplo, são questões em que a ação dos objetos técnicos está bastante saliente, mas mesmo outras em que, a princípio, essa ação não é tão visível – como o publicador de notícias de um jornal online, os blocos de anotação usados pelos jornalistas ou o uso do telefone para uma entrevista – também podem ser melhor compreendidas à luz dessa ideia de mediação como tradução trazida pela TAR.

Para não alongar muito essa discussão que é intensa, densa e tem rendido livros e mais livros, volto ao título do trabalho: “A Mediação no jornalismo feito por não jornalistas: um estudo das agências humanas e não humanas na Mídia NINJA”. Será que posso fazer essa distinção já no título entre jornalistas e não jornalistas na hora de trabalhar a mediação? Se considerar que o jornalismo pode ser feito por um profissional denominado jornalista, estou, de um lado, também trabalhando com um a priori, o de que certos humanos – jornalistas – são mediadores privilegiados, e só cabe a eles fazerem jornalismo. Seria uma contradição com a ideia de que a mediação é uma tradução, um movimento, e de que os papéis assumidos na mediação são relativos, que só podem ser definidos quando analisados no curso da ação.

De outro lado, afirmar que o jornalista é um mediador privilegiado e que só ele pode fazer o que se convencionou chamar de jornalismo é trazer a questão para o jornalismo enquanto profissão, institucionalizada desde o final do século XIX, período de florescimento do ideal moderno que, justamente, tinha como fato o de que… a realidade poderia ser mostrada tal qual ela é a partir da ideia da objetividade. Algo que, sabemos hoje, não pode. Se vai ser possível/viável ou produtivo conciliar estas duas questões num único trabalho acadêmico é algo que ainda não sei…

(Imagem que abre o post é uma ilustração do artigo On Technical Mediation, de Bruno Latour, 1994)

Erros, acertos e experiências no jornalismo pós-industrial

post industrial

No início de junho de 2014 fiz um comentário breve no Facebook sobre boas novas pro jornalismo brasileiro a partir de um cenário otimista de expansão de iniciativas “independentes” dos grandes grupos de mídia (Globo, Folha, Estadão, RBS, etc). Fiz motivado pelo surgimento de “A Ponte“, um site de jornalismo de investigação focado em temas como direitos humanos, segurança pública e justiça, temas tão importantes quanto mal noticiados ultimamente.

O comentário também falava de como a crise do modelo industrial de informação poderia gerar uma “Idade de Ouro” no jornalismo, como acredita, por exemplo, o Bruno Torturra, ex-editor da “Trip”, um dos idealizadores da “Mídia Ninja” e ele mesmo, hoje, tocando um projeto independente de jornalismo, o estúdio “Fluxo“, que recentemente (final de julho de 2014) começou uma campanha de financiamento coletivo para o projeto.

Mais ou menos um mês depois do comentário, uma notícia quis que eu pensasse um pouco mais o tom otimista do comentário. A notícia é esta, publicada em 22 de julho de 2014: “O braço fraqueja às vezes: o Impedimento acabou“, que anuncia o fim de uma das iniciativas mais interessantes de jornalismo esportivo brasileiro, o site Impedimento. Na hora, senti o golpe no tom otimista, de cenário promissor, de explosão do jornalismo – da mídia de massas à massa de mídias, como diz o jornalista e professor francês Ignácio Ramonet em seu último livro – e escrevi o texto “Sobre o fim do Impedimento e o ecossistema do jornalismo“, no Brasil Post. Dizia, entre outras coisas:

“Hoje sabemos que o mundo é outro, que a publicidade por si só não paga o jornalismo na internet, e que, principalmente, o jornalista não está mais sozinho na produção de informação como em outros tempos. Muitas pessoas com o mínimo de acesso a internet podem cometer “atos de jornalismo” ao noticiar para milhares de pessoas em uma rede social, por exemplo, que um acidente de carro ocorreu em frente a sua casa. Neste cenário, como “premiar”, que seja com a continuidade, as melhores iniciativas de pessoas que trazem informações importantes para a nossa vida cotidiana? Como sustentar e qualificar uma quantidade grande de produtores de informação para bancar uma “dieta saudável” de informação, não dependente apenas de notícias “industrializadas” e, não rara, carregadas de quantidades tóxicas de interesses disfarçados? Como promover a continuidade de um jornalismo que seja um pouco mais transparente em seus interesses, um pingo mais sincero em sua forma de comunicar e que consiga, ainda assim, ter condições de ir atrás de histórias interessantes e importantes para a nossa vivência diária?

Talvez o comparativo com a produção da agricultura orgânica e/ou familiar possa servir para apontar um possível caminho para o aumento do “ecossistema”: pequenos produtores, menos (ou zero) fertilizantes, produção e consumo local, ecologicamente sustentável, menos intermediários, mais sinceridade no trato e menos cinismo. Talvez caminhar no fortalecimento dessa via seja uma boa coisa para a saúde desse ecossistema. Ou nos resta assumirmos que essas iniciativas que vem e vão são – nesse enquanto que o jornalismo tateia reinvenções – efêmeras, rotativas, e transformadoras dessa forma, no processo, no “foi bom enquanto durou”, como é (foi) o caso do Impedimento.”

*

impedimento

Marcelo Träsel, professor de jornalismo digital da PUCRS, recentemente fez uma ótima análise em seu blog sobre o caso Impedimento e o do blog Destemperados. Ambos iniciaram suas atividades como blogs amadores em Porto Alegre e ampliaram suas atividades ao longo do tempo, profissionalizando-se e buscando formas de financiar a atividade editorial. Entretanto, o Impedimento acabou e o Destemperados assumiu recentemente a direção do caderno de culinária da Zero Hora. Por quê? A resposta mais simples é que, enquanto o Impedimento produzia jornalismo no sentido estrito, o outro publicava crônicas agradáveis que registrassem estabelecimentos interessantes, sem criticar, mas servir como um guia. Inclusive, um dos dez mandamentos dos Destemperados é “não avaliarás”, algo que não soa bem para o jornalismo, sempre tão crítico a tudo e todos.

Träsel faz uma análise completa do histórico dos dois casos. Cita que o Impedimento buscava, dentro dos “limites operacionais estreitos de um grupo de repórteres sem esteio numa empresa ou instituição, publicar informação que alguém, em algum lugar, preferiria não ver publicada”. Já o Destemperados não tinha esse compromisso. Queria, sim, ser um mostruário de gastronomia, não um jornalismo crítico de culinária. O fato deste último ter, em seu quadro, um publicitário, um advogado e uma profissional de Relações Internacionais, facilitava esse afastamento da “missão principal da imprensa”. Coisa que no Impedimento não acontecia, pois todos seus fundadores eram jornalistas. A partir das diferenças dois dois exemplos, o texto aponta 4 lições sobre empreendimentos jornalísticos independentes hoje. A saber:

1. Se é um empreendimento, alguém na equipe deve assumir o papel de empresário. A principal diferença entre o Impedimento e o Destemperados foi a predominância de uma mentalidade jornalística no primeiro e de uma mentalidade empresarial no segundo. Deixando-se de lado esse fator, todas as outras condições e circunstâncias são muito semelhantes, assim como ambos apresentam boa qualidade de conteúdo dentro de suas propostas.

2. Se ninguém na equipe mantém boas relações com empresários, políticos ou agências de publicidade, só há duas alternativas de financiamento: patrocínio do terceiro setor ou faturamento com venda direta à audiência. O problema do patrocínio do terceiro setor é depender também, em alguma medida, de boas relações políticas. Embora em geral a concorrência por bolsas seja mais aberta, baseada em editais, os selecionadores levam em conta a inserção de um determinado projeto numa comunidade de ativistas — por exemplo, o fato de algum dos proponentes já haver participado de outros projetos como voluntário ou funcionário. Além disso, em geral esse tipo de patrocínio se foca em jornalismo voltado a questões políticas e sócio-econômicas, o que eliminaria tanto o Impedimento quanto o Destemperados do concurso.

3. O problema de contar com financiamento direto pela audiência é ninguém ainda ter descoberto exatamente como vender notícias para leitores na era do jornalismo pós-industrial. Se alguém descobrir como fazê-lo, avise.

4. A terceirização parece ser uma via promissora, ao menos no Brasil. Além do Destemperados, há em Porto Alegre a experiência de agências como Cartola, Fronteira e República. Seus fundadores são repórteres jovens que, insatisfeitos com as restrições das redações tradicionais, pediram demissão e criaram suas próprias empresas. Hoje, prestam serviços para seus ex-empregadores e inclusive grandes veículos do Sudeste. Ganharam mais liberdade de escolha das pautas a serem perseguidas e, ao mesmo tempo, melhores salários e qualidade de vida.

**

farol

Marcela Donini, jornalista e professora de jornalismo da ESPM, também leu o texto de Träsel e comentou em outro artigo importante para entender a situação hoje, a começar pelo título: Não sabemos de nada. Ali, também a partir dos dois casos, ela aponta o que, nas palavras dela, todo mundo já sabe: nós, jornalistas, ainda não sabemos como bancar reportagens desde que as verbas publicitárias começaram a migrar para outros canais na internet. Ela aposta numa hipotése: não é que as pessoas não querem mais pagar pelo jornalismo, a maioria delas talvez nunca quis pagar, pagava porque não tinha opção.

O texto foi publicado no Farol Jornalismo, uma interessante iniciativa de ideias, produção e pesquisas sobre novas formas de jornalismo, um projeto dela e de Moreno Osório, também jornalista e pesquisador do tema. “As pessoas pagavam uma assinatura de jornal diário mas acabavam lendo só a seção de esportes. E nós jornalistas tínhamos a ilusão de que elas se interessavam por todo o nosso produto, porque era difícil medir. Na internet, é possível saber direitinho o que dá audiência e o que não dá – e por testemunhos nossos, de colegas e por experiência como leitores, sabemos que esportes, celebridades e serviço fazem, em geral, mais sucesso do que política e economia. É o eterno embate entre o que o público quer ler e o que os jornalistas acham que o público precisa ler.”

Jornalista com experiência de anos em redação, ela comenta que esteve com uma editora de um jornal que falou de um conteúdo multimídia bem acabado com vídeos e infográficos sobre os 25 anos da Constituição e cuja audiência foi pífia. Um tema relevante, mas que, infelizmente, não interessa a muita gente, ainda mais na rede, com zilhões de outros assuntos te pedindo atenção. A partir daí, ela conclui que o “problema do jornalismo hoje não é que essas 3 pessoas não pagam a execução de um especial multimídia como esse; as pessoas nunca financiaram inteiramente o jornalismo, quem sempre bancou a imprensa foram os anunciantes“.

Sabemos que o jornalismo moderno é fruto do alvorecer capitalista do século XVIII, e seus financiadores foram, principalmente, os partidos, naquela época (até meados do XIX) em que o jornalismo era em suma opinativo e ligado a política; e a publicidade, notadamente do final século XIX e todo o século XX, em que a objetividade serviu como garantia de uma suposta neutralidade necessária para aumentar – e depois manter – o esquema industrial de produção de notícias. Hoje talvez saibamos que a publicidade não dá mais conta de (ou não quer) pagar o jornalismo. Mas o que dá?

***

publica

Pergunta de um milhão.

Há iniciativas de vários lados, além das várias já citadas aqui: as financiadas por fundações privadas, em geral dos Estados Unidos, onde existe uma tradição de filantropia que potencializa iniciativas como a Pro Publica e a Agência Pública, no Brasil, que tem a Fundação Ford como principal financiador, além da Open Society e da Omydar, esta comandada pelo milionário Pierre Omydar, criador do E-bay, e que hoje está bancando outra iniciativa importante de jornalismo de investigação, o First Look Media, lar do The Intercept, comandado por Glenn Greenwald.

As “ongs” de jornalismo, como a Repórter Brasil, que trabalham com pesquisas, junto à governos (federal e estadual) ou a iniciativa privada (fundações e institutos) e também contam com doações, o que permite uma certa liberdade para tocar projetos de maior fôlego e que não teriam espaço nas publicações tradicionais, como é o caso do Moendo Gente, um especial multimídia sobre as condições de trabalho nos frigoríficos brasileiros. E, em especial, do Arquitetura da Gentrificação, uma investigação jornalística sobre o processo de gentrificação no centro de São Paulo financiada coletivamente – e que está em sua 2º edição em captação no Catarse. O AG tem por foco as medidas de higienização social adotadas durante as duas últimas administrações municipais de São Paulo (2005-2012), em especial as relações entre poder público e empresas privadas do setor de construção civil e ramo imobiliário – tradicionalmente, os dois ramos que mais investem na publicidade dos grandes jornais de SP, Folha e Estadão.

Existem, ainda, as startups, empresas pequenas que focam em soluções inéditas para problemas não-resolvidos (ou não pensados), em geral relacionadas a tecnologia digital e a internet. O cenário de muita experimentação e de crescimento da importância da tecnologia na produção do jornalismo (taí o jornalismo de dados para provar) parece ser favorável para o surgimento de pequenas empresas que criam produtos (aplicativos) ou serviços relacionados ao jornalismo. Nos Estados Unidos, onde a tradição empreendedora é forte, já existe até um centro de investigação com uma especialização nessa área, tocada por um Instituto ligado a Kony University e ao Knight Center.

Rosental Calmon Alves, brasileiro fundador da Knight Center para as Américas na Universidade do Texas, comentou, no último congresso da Abraji, que ele mesmo dá uma disciplina chamada jornalismo empreendedor (“Entrepreneurial Journalism”; dá uma olhada no currículo da universidade). A ideia da cadeira é que os estudantes criem uma startup, e para isso eles devem passar por “pitchings” diversos, inclusive o famoso “Elevador Pitching”, que consiste de apresentar a sua ideia em 3 minutos, como se estivesse num elevador com um investidor e aquela fosse tua única chance para convencê-lo a investir. Ao final, os alunos apresentam sua ideia para um jurado de investidores, que os avalia. No caso do Texas não há dinheiro de fato envolvido para os “vencedores” da turma, mas na especialização da Kony, por exemplo, esse mesmo processo dá R$50 mil para quem passar no pitching final.

Há um relatório sobre inovação no jornalismo, feito pela equipe do NY Times e muito citado por Rosental em sua fala, que aponta para o caminho das startups como um dos mais promissores na era do jornalismo pós-industrial. Vice, BuzzFeed, Huffington Post, Vox Media parecem dizer que esse é uma via em expansão – pelo menos nos Estados Unidos. No Brasil, há iniciativas que visam abertamente a incentivar a inovação no jornalismo, como é o caso da OrbitaLab, que surgiu para reunir quem tem projetos de mídia e quer tirá-los do papel e na última Campus Party fez uma maratona de debates sobre este assunto (estive lá e fiquei com a impressão que Marcela nomeou seu texto: não sabemos de nada. Estamos só testando. Quem errar melhor agora parece ter mais chance de acertar depois).

****

ocupamidia

Ocupação da Câmara Municipal de Porto Alegre, 2013.

Um assunto que nem sempre aparece relacionado ao ecossistema em expansão do jornalismo hoje é o debate sobre a democratização da mídia, em especial no que diz respeito as verbas de publicidade dos governos. Há no Brasil uma forte concentração de dinheiro da publicidade governamental no que se convencionou chamar de “grande mídia” (tvs, rádios, jornais, revistas e portais de notícias), frequentemente conglomerados de comunicação que contém vários meios. Alega-se que estes grupos e seus meios tem a maior audiência e, por isso, são os que mais recebem dinheiro, sobrando pouco para pequenas publicações, rádios e tvs comunitárias que poderiam diversificar o leque de canais de informação a disposição da população.

Para ficar num exemplo prático, vejamos o caso do Rio Grande do Sul. O Grupo RBS, dono da RBS TV, jornais Zero Hora e Diário Gaúcho e da Rádio Gaúcha, abocanhou 35% da verba de publicidade do estado do RS em 2013, segundo dados obtidos pelo site Jornalismo B, o que dá cerca de R$17,5 milhões. Só em TV, onde a produção jornalística requer mais equipamentos e investimentos, 65% da verba de publicidade para o interior do RS fica com a RBS; na capital Porto Alegre, são 45%. No rádio, são 46% na capital para a Rádio Gaúcha, enquanto que nas rádios do interior esse valor é amplamente diluído, ficando a rádio Gaúcha com 6%.

Alguém pode alegar: nada demais nesses números. No que pergunto: recebem mais verba porque os veículos do grupo RBS são os mais vistos, ouvidos e lidos no RS, ou porque recebem mais verbas é que o produto final acaba sendo o mais lido? Há diversas explicações por trás dessa questão tipo “o ovo ou a galinha”, que se esmiuçadas nos ajudam a entender porque determinado grupo anda de mãos dadas ou jogando pedras em certos governos ao longo da história. Para ficar apenas em um exemplo: o jornal Zero Hora, hoje o principal do RS, foi criado em 4 de maio de 1964, um mês depois do golpe militar no Brasil. Não é coincidência que no seu início o jornal tenha saído abertamente pró-golpista, congratulando os militares que recém haviam tomado o poder e que nele permaneceram por duas décadas. Esse especial, também do Jornalismo B, esmiuça a relação da ZH com a ditadura militar brasileira.

Não tenho acesso ao orçamento do grupo RBS hoje, mas certamente o dinheiro da publicidade governamental não é a sua principal fonte de renda. Mas em algum momento foi para hoje não ser mais. O que me remete novamente ao contexto atual, de um novo ecossistema de informação, com milhares de novas publicações “não-industriais” e várias pessoas cometendo “atos de jornalismo” diariamente. Se ampliamos a distribuição de verbas do governo para novas mídias, blogs, jornais de bairro, tvs e rádios comunitárias, não estaríamos fomentando a proliferação de mais mídias, ampliando o ecossistema do jornalismo e proporcionando uma saudável concorrência por um jornalismo de qualidade? Ainda que haja críticas diversas a Lei dos Meios na Argentina, por exemplo, ela permitiu durante a última Copa do Mundo com que muitas comunidades humildes, indígenas, paróquias, municípios pequenos, pessoas jurídicas ou organizações não governamentais pudessem transmitir, sob a sua visão particular, os jogos, um ganho considerável em questão de pluralidade de pontos de vista.

Sabe-se que este certamente é um vespeiro difícil de mexer, dado a ferrenha oposição que os grandes grupos de comunicação brasileiros já demonstraram contra qualquer mudança no status quo da mídia no país, das concessões de tvs e rádios a criação de um conselho de jornalismo, batalhas estas da qual o coletivo Intervozes é a principal frente de oposição aos interesses corporativos. Não é preciso imaginar muito que estes mesmos grupos atacariam qualquer iniciativa de democratização da comunicação – possivelmente alegando palavras contrárias a “liberdade de expressão”, ou relacionando corrupção com investimento em blogs “governistas”, já que ser “tendecioso” é um risco que se corre com o investimento em pequenas mídias.

No mesmo RS, há uma tímida reação no sentido de democratização das verbas de comunicação com a criação da Política Estadual de Incentivo às Mídias Locais, Regionais e Comunitárias, lei aprovada na Assembléia Estadual em abril de 2014. Ela contempla 20% da verba de publicidade do governo do RS (executivo, legislativo e judiciário) para periódicos, jornais e revistas impressas com tiragem entre 2 mil e 20 mil exemplares editados sob responsabilidade de empresário individual, micro e pequenas empresas e veículos de radiofusão local – devidamente habilitados em conformidade com a legislação brasileira.

Não menciona qualquer linha as mídias na internet, o que é uma pena, dada a importância que a rede tem para a proliferação de pontos de vistas diferenciados. Mas uma exclusão compreensível, pelo menos em parte, pela relativa novidade (para o governo, sempre correndo atrás da sociedade) da questão, que põe lado a lado formas organizadas de pressão política (a realizada, ainda que timidamente, por jornais de bairro, tvs e rádios comunitárias) e a de blogs e mídias digitais, dispersas e não raro apartadas da política “tradicional” por recusa ao sistema político como está posto. Há, por fim, a justificativa da falta de formalização de muitas mídias digitais hoje, o que inviabilizaria que estas vencessem os trâmites burocráticos para concorrer as verbas do governo e abriria precedentes para diversas acusações de favorecimento de “amigos” – “mas como o blog Z ganhou X reais do governo?”, e coisas do tipo. A criação de um fundo estadual com esta verba, somada a regras bem claras e um conselho amplo que organizasse a distribuição, poderiam amenizar essa situação – mas achar que evitaria 100% estes casos ainda é, hoje, infelizmente uma utopia.

Ainda assim, a iniciativa não deixa de ser uma pequena vitória no sentido de fortalecer os pequenos veículos de comunicação e democratizar o fluxo das informações direcionadas à população. Talvez, nesse contexto caótico e afeito a novidades de hoje, esperava-se mais rapidez e avanços na proposta. Se o jornalismo está virando pós-industrial, os interesses políticos (e os da “indústria” da comunicação) ainda parecem estar fincados numa pesada e lenta era industrial.

Post originalmente publicado no BaixaCultura, em 11 de setembro de 2014.

Crédito fotos: 1, 2, Douglas Freitas (que ajudou na escolha da primeira foto também, valeu!)